Quem é você na fila do Google?

Conquistar visibilidade na internet em meio a tantas opções é um dos grandes desafios do mundo atual. Não basta apenas existir, é preciso ser visto e lembrado.  A organização digital de uma empresa precisa considerar conteúdo, design e velocidade na hora de pensar na vitrine virtual. Manter o site atualizado, com recursos modernos e em consonância com algoritmos, é a melhor maneira de garantir um bom desempenho.

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – Tecnologia da Informação e Comunicação, divulgada em 2020, 58% dos brasileiros acessam a internet apenas pelo celular. Esse é um dos pontos fundamentais para analisar o quanto vale a pena investir em melhorias de performance e acompanhar as mudanças de comportamento do consumidor.

Um dos maiores buscadores utilizados, o Google classifica os sites por ordem de importância, de acordo com uma série de requisitos que consideram e indicam aquelas páginas que preenchem as exigências. Esse ranqueamento é que determina quem fica na primeira página e quem fica nos primeiros sites indexados da primeira página quando um usuário pesquisa por alguma palavra, produto ou serviço. Os sites que não se atualizam vão ficando cada vez mais distantes na lista.

Para concorrer a um lugar no ranking de busca, é preciso convencer o algoritmo de que o conteúdo do site é interessante, atualizado e compatível com a informação solicitada na pesquisa. É fundamental compreender o que leva os visitantes a desistirem de acessar determinados sites e o que aproxima os indicadores para uma boa classificação:

  • Páginas muito lentas: cada milésimo de segundo conta quando se trata de busca na internet. Um site que demora a carregar a home ou carrega apenas o texto, deixando as imagens incompletas, sinaliza para o buscador que é pesado demais para aparecer no ranking.

  • Responsividade: um site responsivo é aquele que consegue se adequar a diferentes dispositivos (computador, tablet, smartphone); o visitante consegue navegar sem prejuízos da forma e do conteúdo mesmo que troque de tela; é um bom termômetro para indicar se um usuário vai retornar o acesso.

  • Experiência do usuário: se mesmo com velocidade e responsividade o usuário não consegue completar a ação dentro do site, isso pode indicar um problema; por isso ter facilidade na navegação, encontrar os menus e botões intuitivamente e ter uma experiência satisfatória é um diferencial;

  • Palavras-chave e metadescrição: investir em SEO (Search Engine Optimization/Otimização para Mecanismos de Busca) é uma excelente forma de mostrar para o buscador o quão importante é aquilo que você tem a dizer. O conjunto de estratégias visa otimizar a colocação do site no ranqueamento, analisando principalmente as palavras utilizadas. O texto metadescritivo, que aparece apenas para a área de desenvolvimento web, é outra ferramenta que auxilia na boa classificação.
Rolar para cima